A IDEIAS

As ideias vão e vêm, 
numa cadência de ritmos.
Misturam-se, tocam-se…
explodem criativas!
Morrem sem sucesso………
misturadas umas nas outras!
O criador retoma…
na cabeça tem rasgos de cor…
As ideias vão e vêm… 
Cadenciadas de ritmos…..
os fios enlaçam-se…
misturam-se… as contas
as pratas empurram-se!
Rolam…. as pérolas….
deslumbram a vaidade.
Rodopiam saltitantes…!
Na cabeça do criador
a ideia forma-se.
A peça nasce….
os cobres mostram-se…
desafiam os latões…. 
as pratas avançam…
acompanham as pérolas
dançando nos fios…
espreitando atrevidas….
e assim nascem .......
criações MT!


Isto de fazer colares e de ter coração de poetisa dá disto!

NA OFICINA MT... COLARES DE LINHO

NA OFICINA MT... COLARES DE LINHO

Na oficina MT
Tenho gatos…
gatos espalhados pelos fios…
e fios espalhados pelos gatos….
contas e berloques à solta…
desafiando os gatos….
os gatos não me deixam….
eles não me largam..
e as contas e berloques,
fios e fiozinhos…
cartões, cartõezinhos…embrulhinhos
desafiam os gatos…
que me desafiam a mim…
de sorriso na alma…
e um não na boca…
falo aos gatos!
Emaranhados em fios
e os fios emaranhados em gatos!
Eu sem sapatos descalça…
de cabelos espantados…
a fome doendo….
da mih’ arte vivendo….
olho com ternura os gatos!!!….




MT Colares de Linho

HÁ TANTOS MARES

um mar de palavras
um mar de rosas…
um mar de gente…
tantos mares há…
mas só o mar salgado
me embala calmamente.
Nas suas ondas eu me fundo
meus olhos atravessam liberdade
Revolto…é a paixão me segue…
Turbilhão d’ amor …
Bravo…selvagem como eu…
Inexpugnável é ele e eu…


E no mar acalmo os sentidos…
E no mar dispo os meus males
E no mar bebo a imensidão…
Da grandeza e da força que me traz
no mar…

eu quero jazer e renascer….

TRAGO-TE



Trago-te presente
Na tua ausência,
Trago os dias cheios de ti
Tenho nos meus olhos a tua imagem
sorvo as tuas palavras ausentes
Alimentas os meus sonhos
De ti…………
Não é saudade que sinto….
Não é por seres meu….
Não é por teres saído do meu ventre…
Não é por te ter pintado….
Nem tão pouco escrito….
O que sinto não tem nome….
Tenho-te e não te tenho….
Estás assim presente no sonho…
Nos meus sentidos acordados….
o que sinto….chama-se “filho”!!!!


27 de dezembro 2013
PABLO PICASSO

Álbum os GATOS NA PINTURA

Tenho verdadeira paixão por gatinhos, assim criei no meu Facebook o álbum OS GATOS NA PINTURA que partilho com todos vós.

Uma das pinturas existentes no álbum







Autora - Oxana Zaika - Pintora Russa - Aguarelas

FELIZ OPÇÃO


dedicado a todas a mães do mundo


É bom ser mãe...que dádiva feliz!
Ter o papel principal... ser actriz!
No palco da vida...em plena acção...
ser pai e mãe na representação.

Os nossos filhos...vemos nascer!
Carinho’ amor...felizes crescer!
Não há suprema nem’ outra’alegria...
só é triste...vê-los partir’ um dia!

Par e passo...quero ser seu guia!...
Amparo do difícil di’ a dia!
Doce, terna e querida lembrança!

Mães...que verdadeiramente o são...
vale, ter na vida essa opção!
São humanos, os filhos que têm!

APONTAMENTOS DE COR




Pormenor

Pormenor

Quadro a óleo hexagonal - Apontamentos de cor, natureza morta. Local de destino: Cozinha

PAVÃO DO MEU PARAÍSO




Pintura em acrílico sobre cartolina 30X40 cm 

Pintura - O Retrato do Meu Pai

Pintura a óleo - 40cm x 50 cm
Retrato do Meu Pai

Excerto do olhar

Quadro a Óleo - Retrato do "João ...."

 *


Retrato do João - Óleo 50 cm x 40 cm (Encomenda - Vendido Dezembro 2010)


Pormenor


Pormenor


Pormenor

O NATAL EM AMOR

Deixo aqui este conto, escrito para um concurso entre blogs e que me deu bastante prazer em escrever. Não sei se sabem eu tenho gatos e os gatos são uma paixão na minha vida. O concurso obrigava a que a história fosse de Natal e que tivesse pelo menos um gato.

Desejo um Feliz Natal e um Ano Novo repleto de felicidade.

Conto
O NATAL EM AMOR
Era uma vez, num país longínquo, chamado AMOR, onde a nossa imaginação mora, aproxima-se o Natal. As ruas estavam iluminadas e cheiravam às lareiras acesas. O calor humano sentia-se, a bondade floria em cada esquina. Nesse país os animaizinhos falavam e eram adorados pelas pessoas. Não havia animais nas ruas padecendo de frio, nem fome, nem maus-tratos, em cada casa havia um bichinho.
As pessoas preparavam as surpresas feitas por elas próprias para as crianças, fazendo caixas para bombons com cartolinas coloridas e papéis brilhantes. Os brinquedos eram feitos pelos pais em madeira e pintados carinhosamente. Não havia o consumismo desenfreado do resto de todos os Países existentes neste mundo.
Aproximava-se a véspera de Natal e numa dessas casas habitava a imaginação do titio António, da titia Margarida e do Alex. Era uma casa quente de felicidade como todas as outras desse país. Nessa casa habitavam dois gatinhos.
O Eros, digno representante dos miaus, um carácter firme, meigo e inteligente.O Laranjinha ainda criança, com aquele focinho infantil, cativante e traquinas.Estes dois amigos miaus que eram uns grandes convivas e só  (continua, abrir o link "ler mais")

PASSEI POR TI!

Passei por ti…

Nem reparaste!

Mostrei o olhar

Sorri…

Mas assim ficaste

…de olhar velado!

Quis levantar o véu…

Gritar-te o meu amor..

Dizer-te…estou aqui!

que por ti……..

Faria tudo! Mas…

esse olhar vago

Longe de tudo… de mim longe …

Quedei-me assim…

Pensando em ti

Que não raparas em mim!

Nem tão pouco,

sabes ao que vim!

OS TEUS OLHOS BEIJAM...A MINHA FACE










Os teus olhos beijam...

beijam a minha face...

num calor atormentado.

Procurando um caminho

um ancoradouro…

poiso certo…

de teu tormento.

Mas eu…

eu não sou esse caminho...

nem sequer o poiso.

Em mim tudo é incerto!

Esses olhos que me beijam…

suavemente....procurando amparo,

beijem antes os meus olhos….

leiam…leiam neles

que este ancoradoiro

não tem amarras…

num mar…

de inquietação insaciável

que traga tudo

o que nele tente

ancorar!

“PENA”

Ouvi chorar lá longe

dentro da matéria que sou

Ouvi’ a tu’ alma qu’ era monge...

presa do espaço que te dou!



Teus gritos’ ouvi e não parei!

Tu em tuas preces fervorosas...

ouvi...ouvi e não me quedei...

tapei meus’ ouvidos com rosas!



É “pena” o espaço que te dou

e escutar-te eu já não quero...

el’ é tanta que quedar-me não vou!



Tua prece é acaso mero!

São gritos gritados sem voz!

Monocórdicos sons em desespero!


___________________________




PS: Seguidores, visitantes, amigos...do lado direito deste blog, logo em cima, onde diz,    ATENÇÃO  SEGUIDORES
O vosso e-mail só será utilizado para vos enviar um miminho ou qualquer outro evento relacionado com poesia ou pintura. Desde já vos digo que não tenho por hábito enviar lamechices, PPS ou afins. Obrigada!



Pintura a óleo (já publicada neste blog) - O Ballet

Dia da mulher - 08/03/2010

Dedico este poema a todas as mulheres, seguidoras e visitantes deste espaço e do mundo inteiro.

Ser mulher é dar a mão…

distribuindo pétalas d ’ amor.

É carregar no grito, um não …

trazendo nos ’ olhos ardor!

Este ser traz no destino…

ser MULHER, mãe e ’ amante.

No seu encanto feminino…

tem um brilho fascinante!

Ser mulher ’ é ser mistério!

Dela mui está por entender…

ser mulher ‘ é assunto sério…

um enigma por resolver.
Mas ser mulher é muito mais!!!….
Ser mulher é ser guerreira,

É ter que a voz erguer,

Numa fé não derradeira,

Contra tudo o que não quer!

NÃO QUERO SABER QUEM SOU!

Ergo-me na voz das gentes,

Sinto-lhes da tristeza o aroma…

Em clamores padecentes…

Entro no grito que me assoma,

Em delírios atropelados…


Trago os olhos velados!

Para não saber quem sou

Trago na alma manifestos.

Abraço, aquilo a que vou!

E que espalho nos gestos…


Mostro os meus sorrisos…

de desejos latentes …

Com ritos imprecisos,

de sonhos abundantes…

qu’ em afluentes escorrem!


Eu não deixo qu’os amarrem!

Marcho com mund’ inteiro

Eu… não deixo que os parem..

Entro no atoleiro….

Não sei para onde vou...

NÃO QUERO SABER QUEM SOU!

PENSAMENTO - SOLTEI AS PALAVRAS

Solto as palavras
Deixo o cárcere da minha voz
Deixo a poesia viver...
Sair da sombra...
solto a liberdade.
A “mafarrica”talhada
em’estátua de tocha no ar…
ganha vida…
Ri-se do “tabu”
Dá-lhe pontapés no “cu”!….
Grita aos estupores
“coisas” que não entendem…
Deixa-lhes a raiva rubra.
À alma podre dos que mentem
a liberdade guerreira
aponta o dedo
dardejando golpes de ira…

…ri-se da heresia…

Sonha matá-los
Secar-lhes os “rivus” da hipocrisia…
Reciclá-los … melhores
Reanimá-los de vida
Uma outra vida….
Onde a liberdade vive
“Onde não há preto e cinzento”
“Onde há muitas cores”!

...SÓ POR MAGIA....

Entrei suave, suavemente,

escutei as sombras

o silêncio perscrutei!

E tu lá estavas!

Brilhando, intenso!

Abracei o sonho!

Segui-lhe os passos...

intuitivamente peregrina!

No teu brilho me iluminei

fiquei bela!...

Fizeste-me Deusa...

rainha...por um dia!

E toda a vida... por magia!

(O quadro é de minha autoria e já foi publicado - My Half)

UTOPIA



No silencioso barulho do pensamento,

que revoltado e heróico

quer mudar sozinho o mundo...

dou comigo com ele ralhando...

pateta não percebe!...

Que sozinho nada faz!...

Só com muitos pensamentos,

igualmente heróicos...

na subjectiva utopia da realidade...



(Quadro já publicado - "Natureza viva")

DESENHANDO POESIA

Sonho co’ as palavras…

desenhadas’em quadras…

ou soltas no sentimento!

Cambiantes de emoção,

combinados de alma,

…riscos de sonho…

…traços de dor…

…alegrias em cor…

que não se esbatem co’a água

não se diluem co’óleo

nem s’ apagam com borracha…

não s’ apagam do papel…

nem tão pouco da memória!

Traçando incertos traços,

desenho a poesia…

mentindo às vezes,

criando ilusões…

p’ra enganar’o olhar,

Desenho a poesia,

Combinando palavras

de sentimentos.

Pinto-as de tons!

Trago na paleta,

amor, ódio… emoção!

alma, coração, paixão

alegria, tristeza calma

esquiços poéticos

misturados de sonho!